16 de setembro é o Dia Internacional da Preservação da Camada de Ozônio: saiba a importância do Parque do Utinga e do Mangal das Garças nesta data

16 de setembro é o Dia Internacional da Preservação da Camada de Ozônio: saiba a importância do Parque do Utinga e do Mangal das Garças nesta data

Fundamental para a sobrevivência de todas as criaturas vivas deste planeta, a Camada de Ozônio protege os animais, plantas e seres humanos dos raios solares. É uma espécie de filtro da vida, uma vez que sem ela, o calor do Sol iria dizimar a Terra. O Dia Internacional da Camada de Ozônio é uma data definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) e faz alusão ao Protocolo de Montreal, assinado em 16 de setembro de 1987 e que entrou em vigor em 1989.

O Parque Zoobotânico Mangal das Garças e o Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna são verdadeiras sínteses da fauna e flora amazônica, compondo um dos maiores exemplos de preservação ambiental e de beleza natural que o Estado do Pará tem a oferecer, cuja sustentabilidade contribui diretamente para que nossa frágil e essencial camada permaneça a nos resguardar.

“O Mangal das Garças tem uma importante contribuição para preservar a Camada de Ozônio, já que a grande quantidade de árvores que tem aqui absorvem os gases poluentes, principalmente o CO2, que é um dos destruidores da camada”, comenta Basílio Guerreiro, biólogo do Mangal das Garças.

Da mesma forma, o Parque do Utinga, por possuir uma imensa flora que também tem a capacidade de absorver tais gases, contribui diretamente para a preservação desta camada.

Basílio acrescenta que o enfraquecimento da Camada de Ozônio é nocivo aos seres humanos, uma vez que ela protege os indivíduos dos raios ultravioletas do tipo B, sendo que um dos sintomas é o envelhecimento precoce. “No geral, sem a Camada de Ozônio, é completamente impossível a manutenção da vida no planeta”, finaliza o biólogo.

Ambos os espaços, além de serem unidades de conservação, conscientizam o público da importância de medidas que favoreçam a defesa do meio-ambiente, para que a longevidade de nosso ecossistema garanta menos emissão de gás carbônico, que exala corriqueiramente nas áreas urbanas.

Existem muitas formas das pessoas, individualmente, contribuírem para a preservação da Camada de Ozônio, dentre elas: Separar o lixo corretamente, descartar baterias e pilhas em lixos próprios para esses materiais. Quando descartados de maneira errada, certos produtos podem contaminar o solo e liberar metais pesados na atmosfera. Utilizar transportes públicos com mais frequência e, quando a pandemia passar, uma boa ideia pode ser montar um sistema de caronas para pessoas que morem próximas. Menos veículos circulando garante a emissão de menos gases poluentes. Evitar a compra de aerossóis com clorofluorcarbonos (CFC) e optar por sprays com bomba ao invés de frascos pressurizados também são boas formas de impactar positivamente o meio-ambiente.

SERVIÇO
O acesso ao Mangal das Garças exige o uso obrigatório de máscara para a permanência no local. O espaço funciona de terça a domingo, das 8h às 18h; e fecha às segundas para manutenção.

A unidade tem Farol, Viveiro das Aningas, Museu Amazônico da Navegação e a reserva José Márcio Ayres (borboletário). Todos são espaços monitorados e para visitá-los, é necessário adquirir o ingresso por R$ 5,00.

Programação diária no Mangal das Garças:
– Soltura das borboletas no Borboletário: 10h e 16h (monitorado)
– Passeio da Coruja Olívia: de terça a sexta – 17h
– Alimentação das garças no Recanto da Curva: 11h, 15h, 17h30.

Serviço do Parque Estadual do Utinga:

Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna. Funcionamento a partir de sábado, 24 de abril: segunda, quarta, quinta, sexta, sábado e domingo – das 06 às 17 h.
Fechado às terças-feiras para manutenção. Entrada franca.

*Texto de Gabriel Nascimento (OS Pará 2000).

Gabriel Nascimento

Assistente de Comunicação

Deixe uma resposta